Archive for Setembro, 2008

h1

Revista Linux

28 Setembro, 2008

A Revista Linux é um projecto português que à semelhança da OpenTech tenta espalhar o gosto pelo OpenSource. Esta  revista vai na 5ª edição e é liderada por estudantes de Eng. Informática e profissionais dessa àrea.

A equipa da Revista Linux conta com:

Coordenador de Projecto/Editor
Joaquim Rocha

Colaboradores Permanentes
Duarte Loreto, Joaquim Rocha, Luís Rodrigues, Pedro Gouveia, Ruben Silva, Valério Valério

Revisores
Helena Grosso

Website
Luís Rodrigues, Joaquim Rocha, Pedro Gouveia

Design
Joaquim Rocha, Ruben Silva

A revista é publicada bimestralmente e segue também o espírito OpenSource pois é distribuida gratuitamente pelos autores ou impressa e vendida pelos leitores desde que o preço de venda seja para cobrir os custos de impressão e não o seu conteudo.

No site do projecto (Revista Linux) pode inscrever-se na newsletter para receberem mais noticias.

rkixa

Anúncios
h1

Compilar kernel no Ubuntu

23 Setembro, 2008

Porquê compilar um novo kernel??

A primeira intenção de uma pessoa que vai compilar um kernel é obter uma melhor performance do seu PC pois, compilando um novo kernel esse novo kernel vai ser específico para o nosso sistema.

Outro motivo pode ser tambem livrar-se de bugs ou a necessidade de adicionar novos recursos ao sistema que só se consigam recompilando o kernel.

Se você se enquadra em alguma destas razões ou se quer simplesmente aprender vamos então por mãos à obra.

Para começar é necessário fazer o download do novo kernel a ser compilado para isso basta ir a www.kernel.org

Feito isto passamos à compilação.

– Instalar os pacotes requeridos para a compilação do kernel com

$ sudo apt-get install build-essential bin86 kernel-package libqt3-headers libqt3-mt-dev

– Mover o kernel para a pasta /usr/src com o comando

$ sudo cp linux-2.6.23.1.tar.bz2 /usr/src

– Ir à pasta /usr/src

$ cd /usr/src

– Descompactar o kernel

$ sudo tar -xvjf linux-2.6.23.1.tar.bz2

– Tirar o link para a pasta linux

$ sudo rm -rf linux

– Criar um novo link para o novo Kernel

$ sudo ln -s /usr/src/linux-2.6.23.1 linux

– Ir à pasta /usr/src/linux com

$ cd /usr/src/linux

– Assumir os previlegios de root

$ sudo -s -H

– Importar a configuração actual do kernel com o comando

# uname -r

# cp /boot/config-2.6.22-generic .config

NOTA: mudar a versão do kernel no 2º comando pela versão obtida com o 1º comando

– Configurar o novo kernel com

# make xconfig

Depois de todas as configurações feitas basta fazer CTRL+S para guardar as configurações e depois fechar a janela.

– Na pasta /usr/src/linux com permissões root faz os comandos seguintes

# make-kpkg clean

# make-kpkg -initrd –revision=686 kernel_image kernel_headers modules_image

Isto vai criar dois ficheiros .deb

– Instalar os .deb com

# sudo dpkg -i nome_do_ficheiro

– Reiniciar o PC

Se tudo foi feito correctamente ao reiniciar já deves ter o teu novo kernel compilado para o teu próprio sistema.

rkixa

h1

Jabber — Porquê?

23 Setembro, 2008

Nos dias que correm, o uso de IM torna-se quase imprescindível para quem quer estar sempre em contacto com o mundo.
Tendo em conta esta necessidade, a oferta aumenta e as opções de escolha são bastantes.
Assim sendo, deixo-vos aqui com uma ‘alternativa’ ao protocolo fechado da Microsoft, o MSN.

O Jabber (ou, se preferirem, o XMPP) é um protocolo de comunicação baseado em XML e completamente livre. É tão livre que permite a qualquer pessoa com uma ligação à Internet e um domínio, criar o seu próprio servidor.

E porque é que este protocolo deve ser para todos nós uma opção? Por diversos motivos, que passo a explicar.

  • É um protocolo livre, o que faz com que, ao usá-lo, estejamos a contribuir para a liberdade e compatibilidade de formatos na Internet;
  • O facto de podermos aceder aos nossos contactos, de qualquer parte do mundo, a qualquer altura, visto que os contactos são guardados no servidor;
  • É um protocolo cuja utilização não implica quaisquer custos, publicidade ou até subscrições;
  • O modo como é feita a gestão do protocolo em si:
  1. Podemos estar ligados com a mesma conta em vários sítios, simultaneamente, atribuindo à vossa conta uma ‘prioridade’;
  2. Não estamos limitados apenas a um conjunto de servidores centrais, sendo que podemos ter nós próprios o nosso servidor;
  3. Maior controlo sobre os nossos dados e garantia que ninguém os anda a espiar, pelas razões acima enunciadas.

Podem consultar mais informações nos seguintes sítios, para além dos respectivos sítios oficiais:
XMPP – Extensible Messaging and Presence Protocol

Why use Jabber? — Vodka Pomme

skorzen

h1

Instalando o Virtual Box 2 e emulando um SO

19 Setembro, 2008

Mais um novo tutorial, desta vez escrevo para ensinar a instalar o Virtual Box 2 OSE (Open Source Edition) no Arch Linux e emular posteriormente um SO esta ultima parte do tutorial poder-se-á aplicar a todas as distribuições.

Para quem não sabe o Virtual Box é basicamente um emulador de SO que faz com que se consiga correr um SO qualquer dentro de outro SO.

Feitas as apresentações vamos ao trabalho.

1ª PARTE – Instalação do Virtual Box 2

–  Como o Virtual Box 2 já se encontra nos repositórios do Arch Linux para instalar basta um

$ sudo pacman -S virtualbox-ose

Com isto fica instalado o Virtual Box

2ª PARTE – Configuração do Virtual Box 2

Depois de instalado o Virtual Box é necessário umas pequenas configurações.

– Editar o /etc/rc.conf e adicionar o modulo vboxdrv

$ sudo nano /etc/rc.conf

EXEMPLO:

MODULES=(… vboxdrv …)

– Adicionar um usuário ao grupo do Virtual Box com

$ sudo gpasswd -a usuário vboxusers

3ª PARTE – Emulação de um SO no Virtual Box 2

Para começar é necessário criar uma nova máquina virtual para isso basta ir a novo e escolher o tamanho do disco, memória, etc…

Depois de criada a máquina virtual é necessário configura-la para arrancar por um CD/DVD para isso selecionam a máquina virtual no menu e vão a Definições –» CD/DVD-ROM e escolhem montar dispositivo e selecionam a drive pretendida, podem tambem usar uma imagem .ISO

No menu definições podem tambem fazer as mais varidas configurações como por exemplo configurar o som, USB, rede.

Depois disso é só iniciar a máquina virtual e proceder à instalação do SO pretendido, a instalação é basicamente igual à feita normalmente só que dentro de uma janela.

rkixa

h1

Kde 4.1 no Archlinux

16 Setembro, 2008

Por diversas razões, um grande número de pessoas ainda não instalou o Kde 4 nas suas máquinas.

A maioria ainda não o fez por achar que este ainda está “muito verde”.

Todavia, já faz algum tempo desde que esta versão saíu do forno, e se acha que está na hora de fazer o upgrade, mãos à obra!

Para quem usa o Kde dos repositório extra, basta dar um pacman -Syu. Para quem usa o Kdemod é necessário um pouco mais de trabalho, mas nada de complicado:

  1. pacman -Rcs kdemod-complete kdemod4-complete para remover todos os pacotes referentes ao Kde.
  2. pacman -Q | grep kde para pesquisar pacotes do Kde que se encontrem instalados e, obviamente, removê-los
  3. Apague ou mova as pastas .kde, .kdemod, e .kde4, pois estas contêm as configurações do Kde e podem entrar em conflito com a nova instalação
  4. Apague todos as entradas referentes ao Kdemod do seu pacman.conf (/etc/pacman.conf)
  5. Adicione os seguintes repositórios:

Para i686:

[kdemod-core]
Server = http://kdemod.ath.cx/repo/core/i686

Para x86_64:

[kdemod-core]
Server = http://kdemod.ath.cx/repo/core/x86_64

6. pacman -Syu

7. pacman -S kdemod para instalar apenas o básico

pacman -S kmemod-complete para instalar o kde inteiro

8. pacman -S kdemod-kde-l10n-pt para o Português de Portugal

pacman -S kdemod-kde-l10n-pt-br para o Português do Brasil

O Kdemod conta igualmente com dois novos repositórios, o extragear para plasmoids e outros programas que não estejam nos repositórios oficiais, e o playground, exclusivo para software instável, como por exemplo o Amarok2.

EXTRAGEAR:

Para i686:

[kdemod-extragear]
Server = http://kdemod.ath.cx/repo/extragear/i686

Para x86_64:

[kdemod-extragear]
Server = http://kdemod.ath.cx/repo/extragear/x86_64

PLAYGROUND:

Para i686:

[kdemod-playground]
Server = http://kdemod.ath.cx/repo/playground/i686

Para x86_64:

[kdemod-playground]
Server = http://kdemod.ath.cx/repo/playground/x86_64

Depois de adicionados ao pacman.conf, é só dar um pacman -Sl [repositório] para ver os pacotes presentes neles, como por exemplo pacman -Sl kdemod-extragear.

André_23

h1

Instalar pacotes do AUR no Arch Linux

14 Setembro, 2008

Aqui vai um pequeno tutorial de como instalar pacotes do AUR (Arch Linux User Repository). Este repositório é mantido pela comunidade do Arch Linux, todos os pacotes neles contidos são mantidos por users do Arch podendo posteriormente os seus pacotes entrarem nos repositórios “oficiais” do sistema operativo, esta passagem dá-se mediante uma votação que é dada tambem por outros users aos pacotes.

Este repósitório não pode ser acedido através do pacman, para instalar algum pacote do AUR é necessário seguir os seguintes passos:

– Aceder à página do AUR procurar o pacote pretendido e depois baixar o Tarball (arquivo com extensão .tar.gz)

– Descompactar esse arquivo com

$ tar xvzf nome_do_arquivo.tar.gz

e ir à pasta criada com

$ cd nome_da_pasta_criada

– Dentro da pasta correr o comando

$ makepkg

Este comando criará um pacote .pkg.tar.gz

Nota: se neste passo aparecer o aviso de falta de dependências instalar as dependências pedidas com o pacman e correr novamente o comando

– Por fim instalar o pacote com

# pacman -U nome_do_pacote.pkg.tar.gz

Com isto voce já tem o seu pacote instalado.

rkixa

h1

Songbird, o pássaro que canta.

10 Setembro, 2008

SongBird
Parece que os funcionários da Mozilla (bem como toda a comunidade que apoia este projecto) não andam a ter muitas horas de sono. O SongBird é o leitor de música do género biblioteca/web browser, actualmente na versão 0.7.0 e já conta com:

– Interface extremamente simplista;

– Listas inteligentes (mais tocadas, mais recentes, etc);

– Suporte a estações do Last.fm com shoutcast;

– Ligação a sites de transferência de música directamente do motor de busca do programa e respectiva gestão de transferências;

– Suporte a dispositivos multimédia portáteis, em especial o iPod.

Com este software controlamos tudo nas nossas músicas, embora alguns parâmetros ainda sejam impossíveis de modificar em determinadas circunstâncias.

Tem apenas um grande defeito, que é não ter um equalizador, coisa que espero ser acrescentada muito brevemente.

E claro como estamos a falar de um projecto opensource, já contamos com centenas de addons (alguns deles foram já incluidos no software, como o caso do suporte ao iPod), o que nos certifica de uma constante actualização e consequentemente um programa cada vez mais estável.

Estejam atentos a este software porque muito provavelmente este software tornar-se-á no Firefox dos media players.

www.getsongbird.net

Disponibilizo aqui tambem os links com os ficheiros *.deb pois no site do songbird não tem.

Versão 32 Bits

Versão 64 Bits

Este é o meu 1o post neste projecto, espero que gostem e agradeço críticas sejam elas boas ou más (principalmente estas agradeço para me ajudarem a melhorar).

masterkorp